Agressão em cães: sinais, sintomas, tratamentos

Agressão em cães: sinais, sintomas, tratamentos

A agressão canina é um comportamento sério e potencialmente perigoso. Os estalos, rosnados, investidas e latidos são impossíveis de ignorar e a última coisa que você deseja ver em seu cachorro. É extremamente estressante ter um cachorro que apresenta esses comportamentos. A agressão também pode corroer o vínculo cão-humano e muitas vezes leva ao isolamento do cão das pessoas e de outros animais. Mas embora a agressão possa ser fácil de reconhecer, pode ser mais difícil de definir. O que é exatamente a agressão canina e qual a motivação por trás dela?

Continue lendo para entender melhor o comportamento agressivo do seu cão. O conhecimento irá aliviar sua carga emocional, torná-lo um defensor mais forte de seu cão e ajudá-lo a ensiná-lo melhores maneiras de lidar com a situação.

O que é agressão canina?

A agressão canina costuma ser um tipo de comportamento do tipo “eu sei quando vejo”. No entanto, a definição pode variar de acordo com quem você pergunta. Um etólogo poderia dizer que o comportamento agressivo é um comportamento dirigido à eliminação da competição. Você também pode rotulá-lo como qualquer comportamento prejudicial ou ameaçador usado por um cão.

O especialista em agressão canina e consultor certificado em comportamento canino Michael Shikashio, CDBC, gosta de simplificar as coisas concentrando-se na função. “Defino agressão como comportamento utilizado para aumentar a distância ou eliminar um estímulo ou ameaça provocativa”, explica. Normalmente, esses comportamentos são usados ​​por cães para evitar uma escalada de conflito, aumentar a distância de um alvo ou causar danos ao alvo.

Em outras palavras, o cão que apresenta comportamento agressivo quer mais espaço, mesmo que tenha que atacar a ameaça para consegui-lo. Não é uma brincadeira violenta de cachorro, embora às vezes as pessoas tenham dificuldade em distinguir brincadeira de briga de cachorro. Também é diferente da predação, onde o objetivo é chegar mais perto até que o cão consiga pegar e comer a presa.

Filhotes de Dachshund brincando juntos na grama.

©OTSPHOTO-stock.adobe.com

Quando obter ajuda com agressão canina

A agressão canina é difícil de controlar sem ajuda profissional. Primeiro, a segurança é sua principal consideração. Em segundo lugar, é emocionalmente carregado, o que pode dificultar a avaliação da situação. Por exemplo, você está estressando seu cão com suas ações ou está perdendo os primeiros sinais de alerta? As técnicas de manejo e modificação de comportamento devem ser adequadas à causa subjacente. Finalmente, quanto mais o seu cão praticar um comportamento agressivo, mais difícil será mudar.

Procure a ajuda de um profissional ao primeiro sinal de comportamento agressivo. Na verdade, a maior parte da agressão é motivada pelo medo, portanto, é melhor intervir precocemente se você tiver um cão medroso. Não espere que a agressão se transforme em uma mordida ou ataque. Um veterinário comportamentalista, comportamentalista animal, consultor de comportamento certificado ou treinador profissional de cães com experiência em lidar com agressões pode lhe ensinar técnicas de manejo, ajudá-lo a identificar os gatilhos do seu cão e desenvolver um plano de tratamento para ajudá-lo a lidar melhor com esses gatilhos.

Remova a emoção se seu cão apresentar comportamento agressivo

Compreender a agressão como um comportamento que aumenta a distância elimina parte da bagagem emocional. Em vez de pensar em palavras como “dano” e “violência”, considere o desejo do seu cão por espaço e segurança. Eles procuram proteger a si mesmos ou ao que consideram sua propriedade de algo ou alguém que consideram uma ameaça.

É importante lembrar que a agressão não é um comportamento anormal para os cães. Dadas as circunstâncias certas, todo cão é capaz de agredir, assim como qualquer pessoa. Portanto, Shikashio alerta contra rotular seu cão como agressivo. Ele diz que você deveria descrever o comportamento como agressivo em vez de descrever o cão como agressivo. Afinal, seu cachorro não é agressivo o tempo todo. Existem certas circunstâncias que desencadeiam um comportamento agressivo.

O que causa a agressão canina?

O medo é a causa número um do comportamento agressivo em cães. Por exemplo, um cachorro que tem medo de estranhos pode considerar o entregador na porta uma ameaça e, portanto, atacar. Mas os cães podem apresentar comportamento agressivo por vários outros motivos, incluindo:

  • Dor: o cão se defende contra toques ou movimentos que possam intensificar a dor
  • Proteção de recursos: o cachorro protege itens que considera valiosos, como ossos ou a tigela de comida
  • Guardando território: o cachorro defende o que considera seu domínio, como o quintal
  • Proteção: o cachorro protege um humano contra uma ameaça percebida, ou uma cadela defende seus filhotes
cadela pastor alemão brincando com cachorrinho no chão de madeira

©Julia Sha/Getty Images

O elemento-chave que liga todas essas situações é que o cão se sente inseguro ou ameaçado e deseja que algo ou alguém vá embora.

Uma pesquisa recente publicada na revista Scientific Reports apoia a ideia de que o medo é um elemento crítico na agressão canina. Depois de coletar questionários aos proprietários de mais de 9.000 cães de raça pura, os autores descobriram que os cães que exibiam comportamento agressivo eram mais frequentemente machos, de tamanho pequeno, o primeiro cão do dono, o único cão da família e medrosos. Na verdade, cães altamente medrosos tinham cinco vezes mais probabilidade de exibir comportamento agressivo do que cães não medrosos.

O estudo também descobriu que a probabilidade de comportamento agressivo aumentou com a idade e diferiu entre as raças. Rough Collies, Toy Poodles, Miniature Poodles e Miniature Schnauzers tiveram as maiores chances de comportamento agressivo, enquanto Labrador Retrievers, Golden Retrievers e Lapponian Herders tiveram as menores chances. Curiosamente, os Staffordshire Bull Terriers, uma raça frequentemente estereotipada ou alvo de legislação específica da raça, apresentaram baixas probabilidades de comportamento agressivo no estudo.

Raças diferentes que tendem a ter temperamentos diferentes podem explicar parcialmente as diferenças raciais no comportamento agressivo. Isso se deve a gerações de criação seletiva de qualidades específicas, algumas das quais incluem agressão usada para um propósito. Pense em cães de guarda de gado, cães de proteção, cães policiais e cães militares – selecionamos raças usadas para esses fins para demonstrar agressividade em determinadas circunstâncias. Portanto, Shikashio leva em consideração a raça do cão, pois pode significar maior probabilidade de agressão. No entanto, ele acredita que cada cão é único.

Mais importante ainda, ele também analisa as motivações e emoções subjacentes de cada cão, como medo, raiva, raiva, frustração, estresse, ansiedade e excitação. Ele diz que estes podem atuar como combustível em uma lata de gás, e quanto mais combustível houver na lata, maior será a probabilidade de um gatilho atuar como um fósforo, provocando uma explosão. Por exemplo, em um cão que guarda sua tigela de comida, o gás pode ser alimentado pela fome do cão, por um bife suculento na tigela em vez de ração, por estranhos em casa e por um doloroso surto de artrite. O fósforo, ou gatilho, pode ser uma pessoa pegando a tigela enquanto o cachorro ainda está comendo. Com todas essas circunstâncias alimentando a situação, é mais provável que o cão reaja agressivamente uma vez acionado. Portanto, é importante observar o que motiva o cão. Os sinais externos de agressão são todos sintomas do problema subjacente. São as causas, como a dor e o medo, que precisam ser abordadas primeiro.

Pastor australiano sendo treinado por um treinador de cães ao ar livre.

©encierro – stock.adobe.com

Reconhecendo os primeiros sinais de alerta de agressão canina

Existe uma maneira de prever o comportamento agressivo do cão antes que ele ocorra? Na maioria das vezes, sim. Shikashio usa uma analogia com o bule de chá. Quando um bule no fogão começa a ferver, o apito soa. Esse é o cachorro reagindo agressivamente. Mas antes daquele apito, quando o bule ainda está esquentando, se você ouvir com atenção, há pequenos estalos. Esses estalos são os primeiros sinais de alerta. “Se prestarmos atenção”, explica ele, “podemos tirar a panela do fogão antes que haja qualquer risco de queimaduras”.

Então, como você reconhece os sinais de alerta de agressão? Prestando atenção à linguagem corporal, ao comportamento e às vocalizações do seu cão. É assim que os cães comunicam que se sentem desconfortáveis, ameaçados ou inseguros. Por exemplo, um dos motivos pelos quais os cães podem rosnar é dizer aos outros para recuarem. É um sinal de alerta: seu cão está estressado e, como tal, você nunca deve punir o comportamento de rosnar. Comportamentos de alerta, como rosnar, indicam que a situação atual é mais do que o seu cão pode suportar – os estalos da chaleira – então é hora de você intervir e aliviar o desconforto do seu cão antes que a situação piore.

Cães que apresentam sinais de estresse nem sempre se transformam em agressividade. Mas é importante respeitar o que o seu cão está comunicando, para que você possa intervir para ajudá-lo a se sentir seguro e evitar que sinta necessidade de intensificar seu comportamento. Quanto mais cedo você reconhecer o que está acontecendo, antes que seu cão precise rosnar, por exemplo, melhor você poderá defendê-lo. Aqui estão alguns sinais a serem observados:

  • Virar a cabeça: o cachorro desvia o olhar virando a cabeça
  • Olho de baleia: o cachorro desvia o olhar e por isso o branco dos olhos aparece
  • Congelando: o cachorro fica parado
  • Sinalização da cauda: a cauda do cão é erguida e agitada rigidamente para frente e para trás
  • Cauda dobrada: a cauda do cachorro é presa entre as pernas
  • Lamber os lábios: o cachorro lambe os lábios sem relação com comer ou beber

Mas Shikashio observa que cada cão é diferente, então você precisa conhecer os sinais únicos do seu cão. “Nem todo cão vai bocejar, lamber os lábios, congelar, todos aqueles sinais típicos de nível inferior que veríamos, então aprender o que um cão faz é muito útil para prever se uma resposta agressiva vai acontecer, ” ele diz.

Como você trata a agressão em cães?

Nunca puna comportamento agressivo. Gritar com seu cão ou confrontá-lo fisicamente só irá agravar a situação e pode resultar em mais agressões, como mordidas. Simplesmente não é seguro. Mas, igualmente importante, isso não ajudará seu cão a se sentir melhor com a situação. Na verdade, será mais provável que reajam agressivamente na próxima vez. O mesmo vale para rosnados e qualquer outro sinal de alerta. Respeite o que seu cão está lhe dizendo e tenha empatia com suas emoções. Entre em contato com um profissional de comportamento para avaliação e desenvolvimento de um programa de modificação de comportamento.

© 2014 Charles Mann via Getty Images

Existem muitas maneiras de modificar o comportamento agressivo dos cães. Um profissional de comportamento irá ajudá-lo a encontrar a técnica certa para o seu cão específico. No entanto, Shikashio diz que na grande maioria das vezes, a dessensibilização e o contracondicionamento são úteis. Isso porque a dessensibilização envolve a exposição gradual do cão ao gatilho, à distância e em baixos níveis de intensidade. Então, o contracondicionamento altera a associação negativa do gatilho de um cão para uma associação positiva. Shikashio descreve o processo como uma “festa de guloseimas” sempre que o cão vê o gatilho à distância. “Não importa o que você esteja fazendo em termos de comportamento – você pode olhar para a coisa, pode olhar para o céu, pode cheirar o chão – mas as delícias continuarão acontecendo enquanto essa coisa estiver no ambiente, 100 metros de distância.”

O contracondicionamento envolve o condicionamento clássico ou o aprendizado da associação entre eventos. Mas Shikashio também gosta de incluir o condicionamento operante em seus planos de tratamento. O condicionamento operante é onde o cão aprende as consequências de seu comportamento. Usando uma técnica chamada reforço diferencial, Shikashio faz com que seus clientes marquem e recompensem seus cães na presença do alvo por realizarem um comportamento que não seja agressivo, como olhar para o alvo ou ir para a cama. Isso ensina ao cão uma forma alternativa de se comportar, ao mesmo tempo que constrói uma associação positiva com o alvo.

Treinamento de ajuste de comportamento (BAT) para agressão canina

Existem outras técnicas para modificar a agressão, como o Treinamento de Ajuste de Comportamento (BAT), desenvolvido por Grisha Stewart, MA, CPDT-KA, KPACTP, e o Tratamento de Agressão Construcional (CAT), desenvolvido por Kellie Snider, MS. Se o seu cão apresenta comportamento agressivo, ou simplesmente apresenta sinais de medo ou estresse, é fundamental buscar ajuda de um profissional. O comportamento agressivo pode ser extremamente perigoso e colocar você e seu cão em risco. Um profissional pode lhe orientar sobre o que fazer, como fazer, quando fazer e como lidar com contratempos.

Enquanto você trabalha para modificar a agressividade do seu cão, é importante gerenciá-lo e seu ambiente para reduzir quaisquer oportunidades que ele tenha de praticar. Cada vez que seu cão pratica um comportamento agressivo e obtém o resultado desejado – seja sua mão se retirando da tigela de comida ou um estranho se afastando da porta – isso reforça que ele deve continuar repetindo isso. Shikashio explica que se a agressão funcionar para fazer com que uma coisa assustadora desapareça, o cão vai se lembrar disso e partir para a próxima vez. “Porque quando você pensa sobre isso, a segurança é mais importante do que qualquer outra coisa.”

Além disso, cada vez que seu cão experimenta seus gatilhos de agressão, seus níveis de estresse aumentam, tornando mais provável que eles passem de sinais de alerta, como congelamento ou arregaçar o rabo, para comportamentos agressivos, como rosnar, estalar e morder. Portanto, à medida que você trabalha em estratégias de modificação de comportamento para reduzir o comportamento agressivo do seu cão, também é importante ensiná-lo a lidar melhor com o estresse e a administrar o ambiente para eliminar o maior número possível de gatilhos.

©V&P Photo Studio – stock.adobe.com

Junto com a modificação do comportamento, é importante descartar quaisquer causas médicas para a agressão do seu cão. Junto com a dor, condições como epilepsia psicomotora e desequilíbrios hormonais podem levar à agressão. Seu veterinário também pode determinar se a medicação pode ajudar a reduzir a agressividade do seu cão. Por exemplo, medicamentos que reduzem a ansiedade podem ajudar seu cão a lidar com os gatilhos e torná-lo mais responsivo às suas técnicas de modificação de comportamento. Quanto mais ferramentas você tiver em sua caixa de ferramentas, melhor poderá ajudar seu cão.

Há esperança para cães que apresentam comportamento agressivo?

Possuir um cão que apresenta comportamento agressivo (ou mesmo um cão reativo) é verdadeiramente estressante. Simplesmente gerenciar a situação no dia a dia pode ser exaustivo. Muitos proprietários de cães agressivos se sentem presos, pois não podem participar do mundo com seus cães da maneira que gostariam ou planejaram quando adquiriram seu cão. A segurança é uma preocupação constante, e os proprietários muitas vezes podem se sentir culpados por terem decepcionado ou falhado seus cães. Todos esses são sentimentos válidos. Se você tem um cão que apresenta comportamento agressivo, faça tudo o que puder para ajudá-lo, mantendo-se confiante de que você é um bom dono de cachorro e que seu cão é mais do que apenas seu comportamento agressivo.

Porém, apesar de esgotar todas as estratégias, às vezes um cão verdadeiramente agressivo não melhora. Pode haver uma consideração de segurança, como um cão imprevisível com histórico de mordidas. Nestes casos, poderá enfrentar a decisão extremamente difícil de optar pela eutanásia comportamental. É quando um cão é sacrificado humanamente por causa de problemas comportamentais graves, e pode ser sua única opção para um cão verdadeiramente perigoso ou para um cão cuja qualidade de vida está sofrendo como resultado de seu comportamento agressivo. Não é algo sobre o qual alguém goste de falar ou pensar, e é uma decisão extraordinariamente difícil, repleta de culpa, estresse, raiva e outras emoções. Não decida sozinho. Embora eles não possam tomar a decisão por você, consultar profissionais de comportamento o ajudará a fornecer uma avaliação objetiva do comportamento do seu cão e de todas as opções possíveis.

Mas para a maioria dos cães, usar todas as ferramentas à sua disposição – modificação de comportamento, manejo, medicação – pode ajudá-lo a reduzir o comportamento agressivo ou, pelo menos, torná-lo mais controlável. Pretender eliminá-lo totalmente do repertório do seu cão pode ser uma meta irreal. Shikashio sugere focar na jornada em vez do destino. Isso o ajudará a ter empatia com seu cão e a vê-lo como ele é, enquanto você o orienta e trabalha com ele. “Você pode percorrer esse caminho com seu cachorro, mas ele nunca necessariamente terminará. Você nem sempre alcançará esse objetivo final e nem é necessário. Você está progredindo, ajudando o cachorro e trilhando esse caminho juntos… para ter uma qualidade de vida melhor.”

Artigos Relacionados

Saúde
Saúde

Saúde

Fundado em 1884, o AKC, sem fins lucrativos, é o especialista reconhecido e confiável em informações sobre raça, saúde e treinamento para todos os cães.

Veja mais »
Blog / Dicas

Origem do Boston Terrier

Origem do Boston Terrier O boston terrier começa no século XIX. Neste século, a Inglaterra era o palco de diversões bárbaras, com variados jogos sangrentos.

Veja mais »