Medos e fobias comuns em cães e como ajudar a tratá-los

Medos e fobias comuns em cães e como ajudar a tratá-los

Para alguns donos de cães, o 4 de julho pode sinalizar um dia estressante de fogos de artifício, multidões e companheiros caninos temerosos. Se o seu cachorro tem medo de barulhos altos, ele certamente não está sozinho. Há muitos passos que você pode tomar para ajudar seu cão a lidar com seus medos e fobias. O Diretor Veterinário do AKC, Dr. Jerry Klein, nos mostra alguns dos mais comuns e como ajudar a aliviá-los.

Medo vs. Fobia

“É um problema comum que os cães tenham medo”, diz o Dr. Klein. “O medo é um mecanismo de defesa e não é algo que temos que eliminar totalmente. Lobos e outros canídeos selvagens dependem do medo para mantê-los vivos, mas quando o comportamento de medo representa perigo para o cão ou outros membros da família, temos que intervir.”

Os cães expressam o medo de várias maneiras. Eles podem tremer, andar de um lado para o outro, ganir, latir, se encolher, se esconder ou até mesmo exibir sinais de reatividade ao medo, o que muitas vezes é confundido com agressão. Então, como você sabe quando o medo do seu cão se tornou uma fobia?

De acordo com o Dr. Klein, uma fobia é um “medo intenso e persistente que ocorre quando um cão é confrontado com algo que pode parecer ameaçador, como uma tempestade. Alguns cães podem até antecipá-lo.” Tal como acontece com as pessoas que têm fobias, esse medo vai além de uma resposta racional.

Fobias são o resultado de uma experiência anterior. Às vezes, eles são o resultado de experiências repetidas, mas para os cães, basta uma experiência para solidificar uma resposta de medo em uma fobia. “Os animais não entendem o que é o trovão, e não podemos explicá-lo a eles”, diz Dr. Klein. “Os humanos, no entanto, podem ter fobias, mesmo que entendam as coisas. As fobias são irracionais e ganham vida própria.”

Fobias Comuns

Dr. Klein observa que existem quatro categorias básicas de medos/fobias comumente vistas em consultórios veterinários:

Fobias Sonoras

Muitos cães têm fobias sonoras a ruídos altos, como fogos de artifício, trovoadas, tiros e fogos de artifício. Há até pesquisas que sugerem que as fobias de ruído podem ser herdadas. Segundo o Dr. Klein, as raças de pastoreio são particularmente sensíveis a fobias de ruído, talvez porque estejam tão sintonizadas com seu ambiente.

Fobias de injeção de sangue

Muitas pessoas têm fobias de injeção de sangue, comumente referidas como medo de agulhas. Alguns cães experimentam uma fobia semelhante ao visitar o veterinário. Os cães não entendem que as visitas ao veterinário são de seu interesse, e muitas das circunstâncias em torno dessas visitas, como sentir-se doente, dor, passeios de carro, novos locais, estranhos e a presença de outros animais estressados ​​podem agravar esse medo em um fobia.

Fobias Situacionais

A ansiedade de separação é o exemplo mais comum de fobia situacional. Cães com ansiedade de separação parecem não entender que seus donos irão retornar e podem apresentar comportamentos destrutivos como mastigar, fazer suas necessidades dentro de casa e latir.

Medo de estranhos

Alguns cães desenvolvem medo de estranhos, principalmente homens, após uma experiência negativa. Cães resgatados de lares abusivos geralmente sofrem com esse medo, o que pode levar a um comportamento reativo. Essa fobia também pode incluir medo de pessoas usando chapéus ou roupas volumosas e medo de outros cães.

Lidando com um cão medroso

Viver com um cão medroso pode ser estressante e frustrante. Tratar fobias requer paciência, tempo e consistência. Isso pode parecer impossível, especialmente quando latidos excessivos irritam vizinhos e proprietários. Talvez o componente mais estressante seja o risco de uma mordida acidental de um cão medroso ou um cão que pode pular ou correr pela janela ou na rua.

Felizmente, existem medidas que os donos de animais de estimação podem tomar para ajudar seus cães a lidar com fobias, começando com uma visita ao veterinário o mais rápido possível. De acordo com o Dr. Klein, as fobias podem piorar com o tempo e raramente se resolvem sozinhas. Em alguns casos, eles podem até levar a novas fobias, então quanto mais cedo você agir melhor.

Veterinários e comportamentalistas veterinários certificados pelo conselho recomendam técnicas de modificação de comportamento como primeira linha de defesa. Essas técnicas, como a dessensibilização, ajudam os cães a gerenciar seu comportamento de medo. Existem medicamentos disponíveis para aliviar a angústia, no entanto, a maioria das terapias medicamentosas funciona melhor em conjunto com a modificação do comportamento e não é uma cura instantânea.

Modificação comportamental

A modificação de comportamento engloba o comportamento do cão e o comportamento do dono também. Os donos muitas vezes contribuem involuntariamente para as fobias do seu cão, reforçando comportamentos indesejáveis ​​ou até mesmo instigando-os. Retreinar você e seu cão para novos padrões de comportamento leva tempo e paciência, e é melhor feito com a ajuda de um veterinário ou especialista veterinário.

“Uma das coisas que vejo as pessoas fazerem o tempo todo é dizer coisas como 'bom menino' durante situações estressantes. Isso pode realmente reforçar o comportamento de medo, pois o dono está recompensando o cão por agir com medo”, diz Dr. Klein. Alguns cães até aprendem a antecipar uma situação estressante quando ouvem palavras como “está tudo bem”, pois passaram a associar essas palavras a um evento estressante, como ir ao veterinário.

O treinamento básico de obediência aumenta a confiança em cães medrosos. Também é uma ferramenta útil para redirecionar comportamentos indesejáveis, como pedir a um cachorro para sentar, ficar ou tocar durante uma situação potencialmente desencadeadora. Dr. Klein também ressalta que uma pressão constante, como a presença de uma Thundershirt ou simplesmente colocar a mão em seu cão, é melhor do que dar tapinhas, pois isso acalma os cães.

Planejar com antecedência é uma parte essencial da modificação do comportamento. A maioria das fobias são previsíveis, o que significa que você pode tratá-las como uma oportunidade de treinamento. O 4 de julho, por exemplo, é o mesmo dia todos os anos e não deve ser uma surpresa. Donos de cães com medo de trovoadas devem verificar a previsão do tempo durante os meses mais quentes, e cães com medo de outros animais podem ser expostos ao medo toda vez que saem para passear.

Terapias com Medicamentos

Alguns cães aprendem a gerenciar suas fobias apenas por meio da modificação do comportamento. Outros podem precisar da ajuda de terapias medicamentosas, como medicamentos ansiolíticos ou sprays de ambiente que imitam terapias calmantes.

Sempre converse com seu veterinário antes de administrar qualquer medicamento ao seu cão e, embora existam várias categorias de medicamentos que podem aliviar o estresse em cães, Dr. Klein adverte que o objetivo desses medicamentos é minimizar a fobia ao medo, não sedar o animal. É tentador pensar que podemos resolver as ansiedades de nossos cães apenas com medicamentos, mas, assim como com as pessoas, lidar com o medo em cães é complicado. Cada cão é único. O que funciona para um cão pode não funcionar para outro, e muitas vezes é preciso alguma experimentação para descobrir qual plano de ação funcionará melhor para seu filhote.

“O importante a lembrar é que há esperança”, diz Dr. Klein. “O comportamento de medo é muito comum, e você não está sozinho ao lidar com isso.”

Artigos Relacionados

Blog / Dicas

Cachorro Chora ?

Seu cachorro esta chorando, veja os Principais motivos para seu cachorro chorar   Como fazer um filhote parar de chorar durante a noite Os cães

Veja mais »